Inspirações diárias: moda, cinema, literatura e o que mais der vontade!

quarta-feira, 29 de julho de 2009

A cidade do Sol

Não, não é do livro que estou falando. Este post é sobre uma cidade do nordeste brasileiro, alegre como o Sol, que é um "lugar de ser feliz". O local que escolhemos para iniciar nossa vida a dois e tal escolha não poderia ter sido mais acertada. Apesar de também curtir lugares frios, acho tudo uma Lua de Mel em um lugar ensolarado, repleto de luz e energia.

Ainda me falta conhecer muitos locais no nordeste brasileiro, mas arrisco sem medo, se tiver de escolher só um para conhecer, escolha Natal!

E não deixe de percorrer todo o litoral do Estado: ao norte, ande de bugre por Genipabu, encante-se com o tom dourado das Dunas de Jacumã, não perca o "Aerobunda", mergulhe em Maracajaú e não se esqueça também de amarrar uma fita na Árvore do Amor; ao sul, visite o maior cajueiro do mundo, emocione-se com os golfinhos, admire as falésias de Pipa e relaxe nas piscinas naturais de Barra do Cunhaú. Lua de mel ou não, será inesquecível!

domingo, 26 de julho de 2009

Boas risadas com Zezé Polessa


Não sou feliz, mas tenho marido - Ontem fui assistir a esta peça que já rodou o Brasil, um monólogo com a excelente Zezé Polessa, adaptado do livro homônimo, da Jornalista argentina Viviana Gómez Thorpe, baseado em suas próprias experiências.
Diversão garantida com esta comédia bem humorada sobre situações do cotidiano e frustrações de um longo casamento.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Momento Girassol










Com bom gosto, uma decô com girassóis fica um charme... Amo!!!




Mar de rosas

Simples é a vida, complicado é o homem. Que teima em acreditar em um mar de rosas, quando bem sabe que este não existe. Enganar a si próprio, essa é a razão de inúmeras infelicidades.
Quantas lágrimas deixariam de existir, se aceitássemos que a existência é um exercício diário de psicologia humana, um treino de paciência, um aprimoramento do relacionamento interpessoal.
Uma vez na vida ao menos deveríamos mergulhar em uma sincera viagem de auto-conhecimento, descortinando nosso eu interior, revelando todos os seus defeitos e imperfeições, se medo e sem vergonha. Só então saberíamos olhar com outros olhos os defeitos tão irritantes dos outros seres e... pela primeira vez, eles nos pareceriam tão pequenos, tão insignificantes frente às qualidades alheias e ao nosso monstro interior... saberíamos perdoar, saberíamos nos perdoar...

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Dia do amigo


Amigos presentes, amigos ausentes, amigos próximos, amigos distantes, amigos de infância, adolescência, amigos de hoje... dê um abraço em seu amigo, telefone, mande um e-mail, um torpedo ou um scrap, não deixe de dizer o quanto seu amigo é importante para você!



domingo, 19 de julho de 2009

Saber viver



Por hoje, uma letra de música que fala por si só...


Quem espera que a vida

Seja feita de ilusão

Pode até ficar maluco

Ou viver na solidão

É preciso ter cuidado

Pra mais tarde não sofrer

É preciso saber viver...

Toda pedra no caminho

Você pode retirar

Numa flor que tem espinhos

Você pode se arranhar

Se o bem e o mal existem

Você pode escolher

É preciso saber viver...


Composição: Roberto Carlos e Erasmo Carlos

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Filhos da Esperança


O que seria de um mundo sem crianças???

Triste?

Muito mais que isso. Seria um mundo sem futuro, fadado ao desaparecimento da raça humana em cerca de um século.

Esta é a temática de "Filhos da Esperança". O filme conta com Julianne Moore e Clive Owen. Assisti dia desses na tv e fiquei refletindo um pouco. É um filme sobre o fim do mundo, mas sem meteoros gigantes colidindo com a terra e muito menos com bombardeios alienígenas.

A proximidade do fim da humanidade torna-se evidente com o aumento da infertilidade das mulheres, que como uma epidemia, alastra-se de tal forma que em alguns anos não há mais mulheres capazes de engravidar. Pesquisas não encontram os verdadeiros motivos e como resultado, temos o caos instalado. Afinal, para que manter a sociedade como a conhecemos? Ou melhor, para quem, se em algum tempo, não haverá mais um ser humano vivo? De que adiantarão escolas, centros de pesquisas, as instituições como um todo, se nossa história se perderá no tempo?

Até que a esperança surge através de uma jovem.

Quando nos deliciamos com um sorriso de uma criança, não é apenas a doçura que devemos enxergar, é também a razão do funcionamento de toda a nossa sociedade, de acordarmos todos os dias para trabalhar, de planejarmos um futuro e construirmos coisas que as próximas gerações aproveitarão. Tudo isso só ocorre porque temos certeza de que eles estarão lá, nas próximas gerações, nas seguintes, e assim por diante.

Por isso me pergunto: Como pode haver tanta imprudência no mundo e despreocupação com as gerações futuras, se sem elas nossa vida como a conhecemos não existiria?

sábado, 4 de julho de 2009

A Cabana


Uma de minhas primeiras leituras de 2009, A Cabana logo despontou como candidata a minha leitura favorita do ano. E já nessa segunda metade de 2009, posso afirmar com certeza que guardarei essa leitura como carinho especial.

Certamente não sou a única a compartilhar dessa opinião, visto que há muitas semanas o livro lidera a lista de mais vendidos. Sou a primeira a desconfiar de grandes sucessos de público - isso não quer dizer que não aprecie essas leituras - mas normalmente não espero muito delas além de uma fórmula comercial, porém interessante de entretenimento.

Em A Cabana enxerguei algo diferente. Um livro escrito inicialmente sem a intenção de ser publicado, e que trazia uma nova forma de lidar com Deus. Algo, que sinceramente, ando afastada a tempos. E essa nova perspectiva trazida por William P. Young reavivou meus pensamentos sobre Deus e religião. Uma experiência inusitada, uma nova visão do que é O Pai, O Filho e O Espírito Santo e do que pode ser esse encontro com Deus, principalmente quando o homem que O encontra é uma pessoa amargurada pela perda de sua filhinha de forma tão brutal e incompreensível. O que Deus tem a dizer sobre esse mundo cruel em que há tanto sofrimento?

A Cabana é um presente perfeito para dar aos nossos amigos, principalmente àqueles que passam por momentos difíceis, pois nesse livro encontramos esperanças.

Esperanças de que há algo acima da nossa compreensão, que pode explicar aparentes injustiças no mundo humano. E que todos, sem exceção, somos muito amados. E quão bom é ter fé nisso!



BIENAL A XIV Bienal do livro no Rio de Janeiro acontece de 10 a 20 de setembro, e William P. Young é presença confirmada.


PRESENTE O livro foi escrito inicialmente como um presente de Natal para a família e amigos, mas antes mesmo de publicado já despertava muita atenção, logo Young começou a receber e-mails de pessoas que diziam que o livro havia mudado suas vidas.


SEM EDITORA O livro foi recusado por editoras cristãs, que o consideravam herege, e por editoras não religiosas, que achavam que havia "muito Deus" na história. O livro acabou sendo publicado por uma editora pequena, criada só para lançá-lo.


SUCESSO Desde sua publicação o livro é sucesso de público em vários países do mundo. Traduzido para cerca de 40 idiomas, já vendeu mais de 4 milhões de exemplares.




sexta-feira, 3 de julho de 2009

O que estamos fazendo com o mundo

"A paz e a vida na Terra estão ameaçadas por atividades humanas não compromissadas com valores humanitários. A destruição da natureza e seus recursos é resultado da ignorância, da cobiça e da falta de respeito pelos seres vivos, incluindo nossos próprios descendentes. As gerações futuras herdarão um planeta extremamente degradado, caso a paz mundial não se efetive e a destruição da natureza continue nesse ritmo." Dalai Lama